terça-feira, março 28, 2006

"All the world’s a stage..."


Dia Mundial do Teatro / World Theatre Day

Foi ha 2 dias aquele em que houve mais uma desculpa para lembrar o teatro. Se e verdade que tenho serias duvidas sobre as vantagens de haver um dia mundial para isto e para aquilo, assim como para o facto de ter de haver "cotas" para o numero de mulheres ali, e para o numero de minorias etnicas representadas acola*, o que e facto e que o teatro nao atrai ainda as multidoes de outros tempos, ainda que esteja na moda e seja "chique" ir ao teatro, pelo que algo tem que ser feito.
Se sempre gostei de ler pecas de teatro, de ir ver teatro, e ate se ja tive algumas experiencias como "actor" (todos nos tivemos aqueles "improvisos" de escola primaria, etc), foi so recentemente que perdi a virgindade a serio, num palco a serio, com um publico "a serio".
Apesar de nao ter sido para uma sala lotada, o Burnavon recebou um grupo do qual fiz parte que encenou uma peca para comemorar e ajudar a Amnistia Internacional.
Bem, o meu computador acabou de ir abaixo. Felizmente tinha isto "meio gravado". Um conselho:nao comprem motherboards "made in China"; sei que hoje em dia e dificil encontrar algo que nao venha desses lados, mas ha que procurar porque senao e o que se ve.
Mas divago ja. Falava do teatro, de improviso, de companheirismo, de humildade. Identifico-me com tudo isto.
Nao me revejo tanto no facto de 98% dos actores serem fumadores... (dados nao cientificos e influenciados pela minha costela anti-tabagista!) Foi tambem ha pouco que se celebrou o dia do nao-fumador, mas o tema do tabaco e outro que pretendo aflorar muito em breve, mas de outro prisma...
Por agora fico-me por aqui, nao sem antes dizer o quanto me fascina a encenacao, o facto de ter ido ver um mesmo texto encenado de umas 4 maneiras diferentes.
Volto agora a entrar em cena, de novo ao palco onde se faz a minha e a vida de todos os mortais. Nao almejo o papel prinicipal nem a ribalta como a Adelaide Ferreira. Dee-me um canto, apaguem os holofotes; procurarei brilhar por mim...

*Espero nao ser rotulado de machista ou xenofobo. Refiro-me ou fenomeno "imposicao", ao artificialismo da medida, e nao aos direitos obvios de cada um como cidadao.

Apesar do lugar-comum, so tenho a dizer que Shakespeare e, foi e sera sempre um Sinhore!

All the world’s a stage,
And all the men and women merely players;
They all have their exits and their entrances,
And one man in his time plays many parts,
His Acts being seven ages. (...)

quarta-feira, março 15, 2006

"The only way to have a friend is to be one."

Começo por dizer que no passado fim-de-semana estive em Liverpool e Manchester, e que assisti no estádio à vitória caseira do Manchester United sobre o pobre Newcastle United por 2-0. Gostaria de partilhar peripécias, mas infelizmente terei que deixar para outra oportunidade.
O meu tempo está deveras condicionado ultimamente; para alguns esta afirmação será motivo de escárnio, outros ficarão incrédulos, e outros mesmo dirão que é "snobismo".
Facto é que, hoje escrevo porque uma pessoa fez anos.
Digo "fez" porque o relógio me diz que as horas pertencem já ao dia 16. Por obra do acaso, esta é mesmo a melhor maneira de o descrever, lembrei-me dos anos dessa pessoa; não precisei sequer de ver a alusão no seu blog.
Comecei por falar de futebol, e facilmente ligaria essa pessoa ao futebol, quer ao futebol jogado, quer ao "falado"... saudades? Sim! Nostalgia? Talvez...
Mas não é o futebol, antes a amizade o tema central deste pequeno* apontamento.
Devo desde já confessar que não sou dado a muitas leituras; não se deve a falta de vontade ou de gosto, mas sim, em parte, a falta de tempo, mas sobretudo deve-se à imensa desorganização em que a minha vida se move.
Já li no entanto, aqui e ali, coisas de Ralph Waldo Emerson. A frase do título parece-me "pura e dura", como dizia o outro! Por outras palavras, acerta na mouche# e diz aquilo que gostaria de transmitir com todo o carinho, ao elemento na fotografia.
Amante da cerveja como ele é, (apreciador seria talvez um termo mais apropriado), deveria perceber que apesar de levedar e fermentar durante o processo de concepção, a cerveja perde o gaz e aquece - no fundo morre - como qualquer coisa que não é consumida (por abandono, desinteresse ou esquecimento).
Não merda! Isto não é um sermão de Santo António nem um Manifesto Anti-Dantas. Perdoem-me o tom entediante.
Amigo? Não!
Irmão...
Parabéns! Faz hoje anos que fizeste anos... um dia... há uns anos ... lembras-te?

P.S. Enganam-se aqueles que lêem este texto como algo que tem um só destinatário!

*Por falta de tempo, já que mais haveria a acrescentar e vontade não falta...
#Expressão introduzida de modo forçado para agradar aos francófonos.

A minha fotografia
Nome:
Localização: Ireland

"O mito é o nada que é tudo/ O mesmo sol que abre os céus/ É um mito brilhante e mudo..." Pessoa. Assim sou eu...

Powered by Blogger